Seguro auto: quando o acidente deixa de ser um sinistro?

0
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

Homem ligando para seguro auto após colisão na parte frontal de seu carro.

O seguro auto, bem como o seguro moto, garantem cobertura em diversas situações. Se o carro for roubado ou furtado, por exemplo, o seguro dá cobertura depois de uma análise. Do mesmo modo, se acontecer alguma colisão, se o veículo tombar, se ocorrer um incêndio. São situações definidas na apólice de seguro como “sinistros”.

Mas será que um acidente pode não ser considerado um sinistro pelo seguro? É sobre esse assunto que vamos tratar neste post. Vale sempre lembrar que a proteção veicular é uma opção ao seguro convencional — é mais econômica e oferece ampla cobertura!

O seguro auto contratado não cobre acidentes

O primeiro caso em que um acidente não é considerado como sinistro é quando o seguro auto contratado (ou seguro moto) não inclui, entre suas coberturas, os acidentes.

E isso é possível sim. Tudo depende da seguradora e dos planos que ela oferece ao cliente. Digamos que você contratou um plano básico que cobre somente roubos e furtos. No caso de um acidente, como colisão ou capotamento, o seguro não vai cobrir os prejuízos. Na apólice, o acidente não está registrado como um sinistro, não faz parte das responsabilidades da seguradora.

Pode ser que a apólice cubra certos acidentes e não cubra outros. Então, os acidentes que não estiverem na apólice não serão considerados sinistros. Consideremos uma seguradora hipotética que não assuma Responsabilidade Civil, ou seja, danos a terceiros. Nesse caso, se você bater em outro carro, terá que assumir, às suas custas, os prejuízos que causou ao outro.

Por isso, é muito importante pesquisar bem por boas seguradoras e consultar sempre os planos disponíveis. Um plano mais completo talvez seja o mais vantajoso.

O prejuízo é menor que a franquia

Todo seguro auto tem uma franquia, ou seja, um valor mínimo que o segurado paga para que a seguradora assuma o restante do prejuízo.

Na prática, digamos que seu automóvel sofreu um dano parcial em um acidente e o preço do reparo é de R$ 500,00. A franquia é de R$ 1.500,00. Nessa situação, não se considera o acidente como um sinistro, pois você terá que assumir, de seu próprio bolso, o conserto do carro. Não tem como a seguradora assumir esse prejuízo, já que ela considera sinistros somente os acidentes cujos prejuízos sejam maiores que R$ 1.500,00.

No caso de perdas totais, as franquias não existem. Mas, para que a perda seja total, mais de 75% do veículo deve estar comprometido.

A culpa do acidente foi do outro

Se alguém colidir com seu carro e a responsabilidade for dessa pessoa, o seu seguro não considerará esse acidente como um sinistro. Quem deverá assumir os custos com o conserto de seu veículo será a pessoa responsável. Sendo assim, a seguradora do veículo desse terceiro é que entenderá que essa colisão foi um sinistro, já que arcará com as despesas de reparo.

Caso esse terceiro não tenha seguro, ele terá que assumir sozinho os custos com o reparo. Mas nem você, nem sua seguradora gastarão nada.

O acidente foi planejado

Essa é outra situação muito comum no Brasil. Para receber o dinheiro do seguro auto, muitos proprietários forjam acidentes ou incendeiam seus veículos.

De acordo com o Sistema de Quantificação de Fraudes (SQF), dados relativos ao primeiro semestre de 2019 revelaram que 28,8% dos sinistros submetidos à investigação apresentam indícios de fraude e 19,9% são efetivamente fraudulentos.

Assim, uma pessoa pode provocar uma colisão de seu carro ou moto contra um poste ou uma árvore ou até simular um acidente mais grave só para receber o valor do seguro. As seguradoras, atentas a isso, realizam uma cuidadosa perícia no veículo para se certificar de que foi realmente um verdadeiro acidente.

Como você viu, em algumas situações, o acidente pode não ser considerado um sinistro pelo seguro auto. Contrate sempre os melhores seguros e nunca aja de má-fé. E não esqueça que a proteção veicular pode ser a solução que você precisa!

Aproveitando que falamos sobre acidentes e, mais acima, sobre Responsabilidade Civil, que tal aumentar mais seus conhecimentos? Veja como funciona e qual é a importância da proteção contra terceiros!

    Procurando proteção veicular ou residencial? Entre agora em contato: