Como funciona a proteção veicular para carros usados?

0
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

Mulher feliz e sorridente dirigindo seu carro

Quando precisamos comprar um carro, não é somente o preço de venda que importa, pois há muitas despesas a arcar continuamente, como licenciamento e seguro.

Os carros usados são uma opção para quem deseja gastar menos, sem abrir mão de certas vantagens. Isso porque há certos carros usados que apresentam acessórios que um novo pode não ter. Ou seja, você pode comprar um carro de segunda mão bem equipado por um preço mais vantajoso que outro carro zero quilômetro.

Também é possível economizar com seguro de carros, recorrendo à proteção veicular. Veja como funciona a proteção veicular para carros usados!

O que é proteção veicular?

A proteção veicular é oferecida por uma empresa autorizada pela Justiça Federal com a finalidade de proteger os veículos dos membros filiados. Esses veículos podem ser automóveis, caminhões, picapes, motos. A proteção cobre sinistros como roubos e acidentes (colisões, incêndios).

É um serviço legal que funciona por meio de pagamento por rateio, ou seja, as despesas são divididas entre todos os participantes.

Os valores podem sofrer alterações a depender dos custos do mês, como os gastos em oficinas, indenizações, compra de peças e outras coisas. O total dos gastos mensais é somado e dividido entre todos, respeitando a proporção da cota de cada participante e do valor do veículo.

Ao contrário do seguro veicular, que tem muita burocracia, a proteção veicular é um recurso mais rápido e mais prático. Após a vistoria e o primeiro pagamento da taxa de administração, já é possível fazer uso dos benefícios.

Como é a proteção veicular para carros usados?

A proteção veicular para carros usados segue o mesmo esquema que a proteção aplicada em carros novos. Mas há que se considerar que os custos envolvidos podem ser mais altos ou mais baixos em alguns casos.

Por exemplo, um carro novo é mais vulnerável a roubos. Tudo depende da finalidade do assaltante e do estado do carro, mas em geral carros novos são alvos mais visados. Por outro lado, um carro usado tende a ficar mais sujeito a quebras e manutenções que um veículo mais novo. Claro que também depende dos cuidados do proprietário. Mas esses são critérios generalizados que precisamos levar em conta.

Imagine, por exemplo, que um carro usado necessite de uma determinada peça que seja difícil de encontrar. Isso certamente levará mais tempo e mais gastos.

Por isso, o seguro de carros usados pode ser mais caro que o seguro de carros novos. Quanto mais riscos envolver o veículo, mais alto tende a ser o valor da apólice.

Quais são as vantagens da proteção veicular sobre o seguro?

De qualquer modo, a proteção veicular é uma opção mais vantajosa para o proprietário de carros usados. E não atrapalha em nada nos custos dos outros membros do grupo.

Como vimos, existe um rateio de despesas, mas é uma divisão proporcional, que leva em conta principalmente o valor do veículo.

Os valores mensais de uma proteção veicular variam conforme as necessidades. Isso já proporciona mais flexibilidade ao dono de um carro usado. Ele não precisará arcar com os custos fixos de um seguro veicular — assumirá apenas valores pertinentes aos serviços que efetivamente necessitar.

Em palavras simples, se você tiver um carro usado, não pagará baseado em probabilidades ou estimativas de riscos, você pagará baseado em eventos. Se alguma peça do veículo quebrar ou algum acidente acontecer, haverá despesas referentes a esses eventos. Se não acontecer acidentes, nem manutenções, não incidem custos.

A proteção veicular é uma opção para os proprietários de carros usados que preferem um melhor custo-benefício na hora de contratar proteção contra roubos e acidentes.

Depois de ler esse conteúdo, que tal curtir algumas imagens em nossa rede social? Às vezes, uma imagem vale mais que mil palavras, não é? Siga a gente no Instagram e confira nossas postagens!

Procurando proteção veicular ou residencial? Entre agora em contato:





Comentários no Facebook